Notícias

27 de Novembro de 2019

FUNDEF Lajeado integra as duas unidades e apresenta a nova logomarca da entidade

Lajeado A partir do dia 2 de dezembro, a Fundação para Reabilitação das Deformidades Crânio-Faciais (FUNDEF Lajeado) vai unificar as unidades da área das fissuras labio palatinas e a área da reabilitação auditiva. Cada uma funcionava em um prédio diferente. Com essa mudança, a entidade ganha espaço e contará com 457 metros quadrados. O espaço foi todo reformado com dinheiro da captação de recursos de dedução fiscal. Um trabalho que durou meses até ficar pronto, pois foi preciso adaptar as salas para receber os gabinetes dentários, consultórios, cabines de exames audiológicos e área administrativa. Para o presidente da instituição, Alain Viegas Detobel, a mudança era inevitável "Vamos deixar para trás as dificuldades do espaço físico que ocupávamos, que por muito tempo atendeu a necessidade. Hoje precisamos crescer em busca de fortalecimento, reunificando as duas áreas de atuação da FUNDEF.-

A medida foi tomada pensando em melhorar o conforto dos pacientes e familiares, além da necessidade de reestruturação, como explicou a gerente da Fundação, Dorli Diehl. É preciso racionalizar os processos, seja numa empresa, entidade pública, privada ou filantrópica.- Nesta nova fase, a FUNDEF vai atender além dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), planos de saúde e particulares.

Prontuários digitalizados

Digitalizar prontuários e modernizar o trabalho na FUNDEF e facilitar o acesso às informações, bem como economizar espaço e o uso de papel. A entidade, a partir de uma medida adotada pelo Hospital Bruno Born, que ofereceu parceria nessa área, começou o processo de digitalização dos dados para adoção de prontuários eletrônicos. Primeiro vai ser feito com os pacientes da área da fissura labiopalatina e no futuro também deve ser estendido para os pacientes da deficiência auditiva.

Com o certificado digital basta para assinar o prontuário, com reconhecimento do Conselho Federal de Medicina ou da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP Brasil), e mantê-lo no ambiente eletrônico, bastando obedecer à regulamentação.

 

Nova identidade visual

Para marcar esse processo de reestruturação, a entidade resolveu modernizar a logomarca. A nova identidade visual faz uma releitura do símbolo tradicional da entidade, usado desde o início da instituição, que é o coração é a carinha. Esta nova versão foi desenvolvida a partir de uma ação voluntária que permitiu que estudantes da Universidade do Vale do Taquari - Univates desenvolvessem propostas para a fundação.

 

A iniciativa foi do curso Técnico em Comunicação Visual através de um trabalho desenvolvido na disciplina Práticas Publicitárias, ministrada pela professora Natália Lord, que motivou os estudantes do curso a desenvolverem uma nova proposta de identidade visual para a fundação. "Assim eles conseguem vivenciar o que é o mercado e ainda oferecer o trabalho para uma entidade que precisa e oferece tanto para a sociedade.-

 

A versão apresentada pelo estudante Jéverson Mariani Oliveira foi a escolhida pela entidade. Ele valorizou o sorriso dos pacientes, buscou ainda incluir alegria e emoção. A aplicação da marca vai ser feita em todos os materiais, peças e trabalhos desenvolvidos para as mais diversas campanhas e ações promovidas pela entidade na busca da reabilitação dos pacientes. "Quem não gosta de ver seu sorriso refletido no olhar de outra pessoa, e ver aquilo é envolvente. A marca simboliza a união da audição da fissura. Quero que através da logomarca as pessoas reconheçam o trabalho que a fundação faz e possam se sentir encorajadas a ajudar a instituição a gerar recursos.-  

 

 

Venda de acessórios

O novo espaço vai contar com uma loja para venda de acessórios para os aparelhos auditivos, como pilhas e sílica, fomos entre outros e os próprios aparelhos. Nesta área também vai ter espaço para os consultórios destinados aos pacientes de planos de saúde e particulares voltados para a reabilitação auditiva.

 

Histórico da FUNDEF

A FUNDAÇÃO foi instituída em 1991 pelo médico Wilson Dewes, com apoio de voluntários e em parceira com o Hospital Bruno Born, num serviço de alta complexidade.  A instituição de saúde disponibilizou para a fundação salas para o atendimento ambulatorial. Como o serviço cresceu e mais profissionais foram agregados, houve uma necessidade de um espaço maior.  Novas salas foram agregadas. 

Em 2007 foi criado o serviço de reabilitação da deficiência auditiva, que funcionou por um tempo junto do prédio onde são atendidos os fissurados, mas com a demanda sempre crescente foi preciso mudar de local duas vezes.

A instituição tem cadastrados mais de 10 mil pacientes. Hoje conta com 34 funcionários e 16 voluntários.  A FUNDEF agradece o Hospital Bruno Born que cedeu espaço por tanto tempo, além das Empresas amigas, Clubes de serviços, OASE, voluntários e funcionários que mantém a entidade há 28 anos, como uma referência na reabilitação de pacientes em todo Estado.